Diocese de Santo André

Experiência com Jesus é fundamental para agentes da Pascom

Primeira atividade diocesana da Pastoral da Comunicação Diocesana contou com palestras de Dom Pedro e da Irmã Helena Corazza, além de dinâmica e momento de adoração ao Santíssimo

A Pastoral da Comunicação da Diocese de Santo André deu início às atividades de 2020 reunindo agentes da Pascom e leigos das dez regiões pastorais no encontro “Comunicar é nossa vocação” ocorrido na manhã de sábado (15/02), no Auditório Dom Jorge Marcos de Oliveira do Edifício Santo André Apóstolo da Cúria Diocesana.

A iniciativa atendeu aos itinerários do 8º Plano Diocesano de Pastoral e está em sintonia com Ano Vocacional Diocesano, a fim de despertar novas vocações sacerdotais e de leigos para a Igreja.

Caminhos do comunicar

A manhã de espiritualidade teve início com a acolhida dos participantes, momento musical e oração seguidos da apresentação inicial da coordenadora diocesana da Pascom Diocesana, Fernanda Minichello, e da palestra proferida pelo bispo da Diocese de Santo André, Dom Pedro Carlos Cipollini, com o título “Comunicação e sua fonte espiritual”, em que elencou pontos essenciais para levar a Boa Nova ao povo com eficiência, como a relação entre os Sacramentos e a Comunicação, ao destacar a propagação da informação como dom e responsabilidade, inspirada sempre por Deus, que se comunica por meio do seu Filho, Jesus Cristo.

“Deus comunica a vida. Então já começa a história humana com a comunicação da vida feita por Deus, por um ato de amor e de misericórdia. Ele nos criou por amor para se tornar participantes da felicidade Dele”, introduz Dom Pedro, ao frisar que temos a missão de anunciar o Reino de Deus, em meio as dificuldades e barreiras que surgem pelo meio do caminho.

Criatividade e silêncio

“Se tem coisa que um comunicador deve ter é criatividade para vencer os desafios. A criatividade serve para tudo na comunicação”, aponta o bispo, ao encerrar a apresentação reforçando a importância da espiritualidade na vida dos agentes da Pascom.

“Não apenas a palavra, mas também o silêncio é comunicação. No silêncio a palavra é gerada, transmitida e comunicada na sua grandeza e totalidade. Só é capaz de falar e comunicar quem sabe viver o silêncio. Tinha um santo padre no deserto que escreveu uma frase assim: ‘as palavras são utensílios do tempo deste mundo, o silencio é próprio da eternidade'”, enfatiza.

Apresentada pelo assessor seminarista Gustavo Laureano, uma dinâmica foi realizada em seguida com os participantes reunidos em grupos e refletindo sobre a história de parábolas bíblicas, num momento de interação antes do intervalo para o café.

Lugar de encontro

A religiosa da Congregação das Irmãs Paulinas, Irmã Helena Corazza, apresentou a palestra “Espiritualidade do Comunicar”, em que começou a exposição destacando o trabalho da Paulinas SEPAC, de capacitação de lideranças na área de comunicação, qualificando a atuação profissional, cultural e pastoral, na totalidade do ser humano.

Logo de início, Irmã Helena citou trecho da mensagem do Papa Francisco para o 54º Dia Mundial das Comunicações Sociais “Para que possas contar e fixar na memória. (Ex 10,2) vida se faz história”, comentou sobre o processo relacional e encontro com Jesus Cristo, da espiritualidade da comunicação, que se alimenta da Palavra e da Eucaristia e se torna pão partido alimentando outras pessoas, e da mística que está ligada intrinsecamente à espiritualidade.

“Papa Francisco coloca a comunicação como lugar de encontro. Tem a ver com o cotidiano das pessoas, não apenas quando estou na igreja, mas no dia a dia essa profundidade da relação é visceral. Vem de dentro, somos marcados pelo ser do espírito”, indica.

Pedagogia de Jesus

Irmã Helena também abordou a pedagogia de Jesus na comunicação como centro da ação para os agentes da Pascom. O Filho de Deus transformava as pessoas, como comunicador do Pai, por meio do diálogo e da indicação dos caminhos do bem.

“A experiência com Jesus é fundamental na espiritualidade”, medita.

O coordenador do Departamento de Comunicação da Diocese de Santo André, Pe. Tiago Silva, e o assessor de Comunicação, Pe. Marcos Vinícius, conduziram um momento com a adoração ao Santíssimo Sacramento, antes do encerramento do encontro.

“Procure a porta do coração do seu pároco, a porta da pastoral, do movimento da sua comunidade. E através do diálogo e da oração que nós possamos apresentar Jesus ao mundo. Como disse Dom Pedro, não só a partir das nossas convicções, mas partindo sempre do outro, para que a mensagem seja eficaz e produza frutos”, recomenda.

Agente da Pascom na Paróquia Nossa Senhora do Bom Parto, na Região Santo André – Utinga, Fabiana de Mesquita Rodrigues, avalia que a Manhã de Espiritualidade foi enriquecedora.

“As palavras de Dom Pedro e da Irmã Helena me mostraram o quanto ser Pascom é importante para a evangelização”, cita.

 

Compartilhe:

Homilia, Missa do Jubileu Diocesano 70 Anos da criação da Diocese de Santo André

Ginásio lotado com mais de 7 mil pessoas marca celebração dos 70 anos da Diocese de Santo André

Catedral diocesana celebra sua padroeira

Padre Toninho assume nova missão na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

Jovens Sarados comemoram 15 anos com missa presidida pelo bispo diocesano

ENCONTRO CHEGA AO FIM COM REFLEXÃO SOBRE PERSPECTIVAS PARA A AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL

PARTICIPANTES DE ENCONTRO DESTACAM PROPOSTA DE SINODALIDADE NA AÇÃO PASTORAL DA IGREJA

“O COORDENADOR DE PASTORAL É UM MEDIADOR DA GRAÇA DE DEUS E PROMOVE A COOPERAÇÃO NA COMUNIDADE”, DISSE NÚNCIO APOSTÓLICO

Encontro Diocesano dos Coroinhas e Cerimoniários reúne mais de 2500 jovens e crianças

Nossa Senhora do Carmo