Diocese de Santo André

Notícias de Padre Mahon diretamente da França

Tendo em vista que é imenso o desejo dos diocesanos por relatos de Padre José Mahon, que há nove meses, reside na França, após uma vida missionária na Diocese de Santo André, reproduzimos a carta que foi enviada ao seu amigo, Humberto Domingos Pastore, onde passa informações de sua vida atual, e também narra com profundo conhecimento aspectos do passado e da atualidade de nossa região e de nosso país.

Prezado amigo Humberto Pastore

Espero que esta carta o encontrará com ânimo, fé e espírito missionário.

No funeral do padre Carlos Alberto (Cristo Operário – Vila Linda), lhe falei da minha volta definitiva na França, na casa dos padres idosos, que ocorreu na 2ª feira, 26 de setembro de 2016: Amanhã, completará 9 meses, (a hora do parto!).

Esperava muito continuar em Santo André. O meu superior pensou diferente. Hoje, reconheço que ele tinha razão: 90 anos, saúde muito problemática (quimio 5 dias por mês no hospital, transfusão de sangue cada 90 dias, cansaço físico quase constante). Enfim seja feita a vontade de Deus.

Acompanho de longe a vida da diocese (sínodo) e do Brasil (bastante confusão política), mas, sobretudo lembro o tempo passado na diocese desde 1961, (a diocese tinha sete anos).

O que mais me marcou? A vida e a fé do povo, sempre Amigo, Acolhedor, Religioso, Trabalhador, Participativo, Alegre, (sempre disposto para festas). Foi um encanto viver em Santo André e Mauá, embora faltassem para o povo, bons salários, casas, escolas, hospitais, água, esgoto, asfalto, transportes, etc. Vida dura para o povo.

Chegava de todo canto do Brasil. Muitos casais praticantes, muitos jovens na Congregação Mariana ou na Pia União das Filhas de Maria.

O entusiasmo do povo pela comunidade sempre me impressionou;

Depois houve os anos da ditadura militar. Com apoio de Dom Jorge Marcos de Oliveira, depois de Dom Claudio, a partir de 1975, houve a participação do povo nas lutas operárias, nascimento e crescimento das Comunidades Eclesiais de Base, Pastoral Operária e outros movimentos.

As mentalidades mudavam: jovens e adultos. Houve crescimento das vocações sacerdotais, renovação pastoral, mas sempre faltava uma visão comum da parte do clero, cada um segundo a sua visão pastoral, de acordo com a sua formação.

As periferias cresciam muito e, com elas apareciam as igrejas evangélicas, hoje tão numerosas e tão frequentadas – mesmo assim, crescendo a população, as missas continuavam lotadas.

Hoje, com a pesquisa social organizada pela diocese, temos uma visão muito mais clara da realidade.

Com as orientações do papa Francisco e do atual bispo, Dom Pedro, sabemos o rumo a seguir juntos. Também, no ano passado, as visitas pastorais do bispo em todas as Regiões Pastorais da diocese constituíram um grande passo a frente.

Hoje, tão longe, só posso rezar por vocês, o que faço diariamente. Aproveito desta carta para dar um grande abraço ao nosso bispo, Dom Pedro, ao clero e todo o povo da diocese. A presença de Jesus vivo no meio de nós nunca vai faltar.

Abraços.

Assinado José Mahon.

Compartilhe:

Ginásio lotado com mais de 7 mil pessoas marca celebração dos 70 anos da Diocese de Santo André

Catedral diocesana celebra sua padroeira

Padre Toninho assume nova missão na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

Jovens Sarados comemoram 15 anos com missa presidida pelo bispo diocesano

ENCONTRO CHEGA AO FIM COM REFLEXÃO SOBRE PERSPECTIVAS PARA A AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL

PARTICIPANTES DE ENCONTRO DESTACAM PROPOSTA DE SINODALIDADE NA AÇÃO PASTORAL DA IGREJA

“O COORDENADOR DE PASTORAL É UM MEDIADOR DA GRAÇA DE DEUS E PROMOVE A COOPERAÇÃO NA COMUNIDADE”, DISSE NÚNCIO APOSTÓLICO

Encontro Diocesano dos Coroinhas e Cerimoniários reúne mais de 2500 jovens e crianças

Nossa Senhora do Carmo

nomeacoes

Nomeação e provisões – 03/07/2024