Diocese de Santo André

Quando eu cheguei aqui…

São muitas as histórias que tenho para contar, mas aqui, vou me restringir a minha experiência na Pastoral da Juventude na Paróquia Nossa Senhora Aparecida (Região de Utinga), a “Aparecidinha” como a chamamos, entre os anos de 1978 a 1988, um período fundamental para minha formação pessoal e cristã. Foi um momento crítico para o Brasil e para a Igreja no nosso país: Fim da Ditadura Civil-Militar, Greves do ABC, Movimento pelas Eleições Diretas, Redemocratização do Brasil etc. E, como não podia deixar de ser, a igreja e suas lideranças (religiosas e leigas) teve que se posicionar. Foram tempos de Dom Evaristo Arns, dos primos e Cardeais Dom Aloizio Loscheider e Dom Ivo Loscheiter, de Leonardo Boff e tantos outros. Foram, também, tempos de perseguições e preconceitos na linha do “Política e Religião não se misturam” e, infelizmente, de outros conflitos, muitos ainda presentes em nossa sociedade e em nossas comunidades de hoje.

No plano religioso, foi um tempo forte da Teologia da Libertação que norteou nossas atividades pastorais/paroquiais e nossas vidas!! Optei por esse lado, o da Teologia da Libertação; por alguns taxada de “marxista”, mas para os que a compreenderam e a compreendem verdadeiramente, nada mais nada menos do que os ensinamentos de Jesus em estado puro [Da multidão dos que creram, uma era a mente e um o coração. Ninguém considerava unicamente sua coisa alguma que possuísse, mas compartilhavam tudo o que tinham. Com grande poder os apóstolos continuavam a dar testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e grandiosa graça estava sobre todos eles. Não havia pessoas necessitadas entre eles, pois os que possuíam terras ou casas as vendiam, traziam o dinheiro da venda e o colocavam aos pés dos apóstolos, que o distribuíam segundo a necessidade de cada um (At 4,32-35)]. Era (e é)  a apresentação de uma visão de mundo tendo como paradigma o Reino de Deus proposto por Jesus Cristo, a Doutrina Social da Igreja e o compromisso com os pobres, vistos  não como “coitadinhos” a serem somente ajudados, mas como pessoas como nós, com virtudes e defeitos, que precisavam e ainda precisam ser “sujeitos da sua história”, com direito a uma moradia digna, boa comida, educação e saúde de qualidade, lazer ….. amor.

Lembrando das pessoas com as quais tive contato naquela época, alguns deles meus amigos ainda hoje, 30-35 anos depois, vejo que essa experiência de vida foi fundamental. A maioria, se não todos, participando ou não atualmente de comunidades paroquiais católicas, demonstram, por sua postura pessoal e coletiva, um senso de justiça e de amor ao próximo que, sem querer parecer pretensioso, infelizmente vejo faltar em boa parte da sociedade brasileira de hoje, e em especial em seus dirigentes!! São pessoas solteiras ou casadas, profissionais de diversas qualificações e aptidões (professores, engenheiros, funcionários públicos, bancários etc.), intelectuais ou não, que representam um recorte do Brasil ainda minoritário: O dos cidadãos conscientes dos seus direitos e deveres e dispostos a lutar pelo direito de todos a uma vida digna …. Aquilo que Jesus Cristo chamou de Reino de Deus, que “começa aqui e agora”, mas que muita gente ainda idealiza como algo que só acontecerá após a morte!! Isto me faz lembrar o texto de Lc 4, 14-21:

“Jesus voltou para a Galileia no poder do Espírito, e por toda aquela região se espalhou a sua fama. Ensinava nas sinagogas, e todos o elogiavam. Ele foi a Nazaré, onde havia sido criado e no dia de sábado entrou na sinagoga, como era seu costume. E levantou-se para ler. Foi-lhe entregue o livro do profeta Isaías. Abriu-o e encontrou o lugar onde está escrito: ‘O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para pregar boas-novas aos pobres. Ele me enviou para proclamar liberdade
aos presos e recuperação da vista aos cegos, para libertar os oprimidos e proclamar o ano da graça
do Senhor’. Então ele fechou o livro, devolveu-o ao assistente e assentou-se. Na sinagoga todos tinham os olhos fitos nele; e ele começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu a escritura que vocês acabaram de ouvir”
.

Note-se que a escritura sagrada não diz que o Reino de Deus se concretizou após a Ressurreição de Jesus e sua ascensão ao céu. Mas ele mesmo diz:” Hoje”, aqui em Nazaré …. Hoje, aqui em Santo André/Brasil esta Palavra de Deus deve se cumprir!

Esta forma de viver a fé em Jesus em grande parte, se deve ao que aprendi (e apreendemos) atuando na Pastoral da Juventude naquele período…. E permanece em nós até hoje!!!

Outro aspecto interessante que, em geral não se leva em conta é o quanto a participação em uma pastoral, no meu caso a Pastoral da Juventude, pode e pôde contribuir para a formação completa de um jovem! Graças à Pastoral da Juventude eu e meu grupo experimentamos na prática:

  1. Amizades que ficaram para o resto das nossas vidas (como já comentado acima). Alguns amigos estão próximos, outros distantes geograficamente, mas com um grau de carinho e amor tão grandes que quando nos vemos é como se tivéssemos nos encontrado ontem! Isto deveu-se em grande parte a um esforço sincero, que fizemos juntos, para encontrar Jesus na Bíblia e na Vida, com um questionamento permanente das nossas condutas e posturas pessoais e comunitárias.
  2. O fortalecimento da nossa Fé não por meio de um Jesus Cristo distante, nos céus que precisa ser louvado a todo instante, mas um Cristo amigo, Emanuel (Deus Conosco) que caminha junto com seu povo, que tem poder, mas mostra o caminho que devemos seguir e nos capacita para fazermos, em Seu nome, muita coisa em benefício dos outros! Alguns estudos bíblicos e encontros de Pastoral da Juventude foram fundamentais para esse entendimento e sinto não poder falar mais sobre eles, dado o pouco espaço disponível neste texto!
  3. O aprendizado da Pesquisa e do Falar em Público: Tínhamos o costume de dividir entre os membros do grupo os temas que iríamos refletir, de modo a não sobrecarregar a coordenação ou o(a) assessor(a) que estivesse, eventualmente, nos acompanhando. Este costume tirou nossa inibição e, particularmente no meu caso, auxilia até hoje nas minhas atividades pastorais e profissionais;
  4. Como organizar eventos, desde reuniões dominicais do grupo até assembleias regionais: Com Objetivo, Estrutura (Começo, Meio e Fim), Dinâmicas, Espiritualidade e Ações posteriores a serem executadas;
  5. O compromisso com o próximo, por meio de ações concretas na paróquia (participação em outras Pastorais como Catequese Infantil, Perseverança etc.) e fora da paróquia (ações sociais no bairro e na cidade, organização e participação em encontros e congressos de jovens e participação de alguns dos nossos no movimento estudantil e na política partidária);
  6. A prática democrática (aceitar opiniões divergentes, argumentar e aceitar a decisão da maioria, mesmo quando discordando dela);
  7. A descoberta de que as mudanças de mentalidade das pessoas (a Conscientização e principalmente a Conversão) seguem o ritmo e a velocidade próprios de cada um e não o ritmo que desejamos. Jesus sabia muito bem disto, mas nós tivemos que aprender a duras penas!! …… E, pensando bem, talvez ainda tenhamos muito a aprender a respeito! Chamávamos (e chamamos) a isto de “Paciência Histórica” e, no meu caso particular, esse aprendizado me ajuda muito a não perder a Fé e a Esperança em Deus e no seu Projeto em tempos difíceis como este em que vivemos, com tanta violência, falta de respeito e misericórdia com os diferentes e desrespeito aos direitos dos mais fracos!!

Antes de terminar este depoimento não posso deixar de agradecer a Deus por tudo o que ele proporcionou de experiências de vida para mim e para os meus amigos. Agradeço, particularmente a tantos e maravilhosos assessores e assessoras que, direta ou indiretamente, nos acompanharam nesse período e que contribuíram, e muito, para nosso desenvolvimento espiritual e nosso compromisso social! Faço memória de todos e todas, mas cito alguns que, estando ou não ainda no nosso meio, levaremos sempre na mente e no coração: O Pe. Ivo dos filhos da Caridade, as Irmãs Iracema e Manô (Salesianas) e Isabella e Serena (Franciscanas) e tantos outros que nos acompanharam nesse período na Região de Utinga e na Diocese de Santo André!  A eles todos o meu amor, minha gratidão e minhas orações!!

 

*Artigo desenvolvido por Heraldo Soares Peres

Compartilhe:

Ginásio lotado com mais de 7 mil pessoas marca celebração dos 70 anos da Diocese de Santo André

Catedral diocesana celebra sua padroeira

Padre Toninho assume nova missão na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

Jovens Sarados comemoram 15 anos com missa presidida pelo bispo diocesano

ENCONTRO CHEGA AO FIM COM REFLEXÃO SOBRE PERSPECTIVAS PARA A AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL

PARTICIPANTES DE ENCONTRO DESTACAM PROPOSTA DE SINODALIDADE NA AÇÃO PASTORAL DA IGREJA

“O COORDENADOR DE PASTORAL É UM MEDIADOR DA GRAÇA DE DEUS E PROMOVE A COOPERAÇÃO NA COMUNIDADE”, DISSE NÚNCIO APOSTÓLICO

Encontro Diocesano dos Coroinhas e Cerimoniários reúne mais de 2500 jovens e crianças

Nossa Senhora do Carmo

nomeacoes

Nomeação e provisões – 03/07/2024