Diocese de Santo André

Aonde iremos?

Em nossa vida temos necessidade de fazer escolhas. Jesus teve que escolher o caminho da fidelidade ao Pai quando tentado no deserto. Os discípulos de Jesus também tiveram que fazer a escolha: seguir o mestre ou abandoná-lo. É disso que trata o relato do Evangelho de João 6, 60-71, que nos coloca algumas questões: Você realmente escolheu Jesus em sua vida? Essa escolha é assumida? Você a vive?

Este relato evangélico mostra-nos Jesus, no auge de sua missão. É famoso e todos esperam que ele seja um Messias glorioso, guerreiro, vitorioso como os conquistadores deste mundo, que se impõem pela força e astúcia. Jesus, porém, mostra que não é este o caminho. Isto vai gerar uma crise.

Jesus diz que as glórias e conquistas terrenas (carne) de nada servem, sem o espírito (vida na fé). Precisamos de um impulso que venha de fora de nós, é a fé, dom de Deus que devemos acolher. A exigência da fé é radical, torna o seguimento de Jesus radical.

Jesus afirma sua condição divina: veio do Pai e para Ele voltará, por isso, tem poder de ressuscitar os mortos, diz ser alimento, “pão para a vida do mundo. Jesus quer dizer que ele não é um Messias materialista, mas é o Filho de Deus e tem poder de dar a vida eterna. Quem quiser esta vida, deve se alimentar dele, de suas palavras, ou seja , viver dele que é a vida, segui-lo por que é o caminho e aceitar sua doutrina porque é a verdade.

A encarnação de Jesus e a Eucaristia são a pedra de toque de nossa fé cristã, e adesão a Ele, nos obrigam a nos posicionar. Ou nós aceitamos ou nos afastamos dele. Muitos o abandonam! Jesus decepcionou muita gente que acreditava em Deus só para levar vantagem, pensando somente em si. Achavam que podiam amar a Deus sem amar o próximo.

Jesus não prometeu glória mundana, nem prosperidade material para ninguém (teologia da prosperidade). Ele prometeu sim, vida plena para todos, vida que não tem fim e ensinou a conseguir isso: amando o próximo, entregando a vida no serviço, sendo “pão” para os irmãos. A realeza de Jesus consiste em amar e servir. Jesus ensina que vida é para ser partilhada e não egoisticamente.

Judas é o tipo da pessoa que no seu egoísmo não entendeu que a vida é para ser vivida no amor. Ele escolhe entregar as pessoas à morte e por fim entregar-se à morte por orgulho. Ou escolhemos seguir Jesus e assim chegamos ao Pai que é vida eterna, ou abandonamos Jesus e abraçamos os projetos que levam à morte.

Muitos abandonam Jesus e ele pergunta aos doze apóstolos: “Vocês também querem ir embora?” Pedro diz então: “Aonde iremos? Só tu tendes palavras de vida eterna” (Jo 6,68). Os que permanecem reconhecem que seus ensinamentos conduzem à vida.

*Dom Pedro Carlos Cipollini, Bispo Diocesano de Santo André

Compartilhe:

Ginásio lotado com mais de 7 mil pessoas marca celebração dos 70 anos da Diocese de Santo André

Catedral diocesana celebra sua padroeira

Padre Toninho assume nova missão na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

Jovens Sarados comemoram 15 anos com missa presidida pelo bispo diocesano

ENCONTRO CHEGA AO FIM COM REFLEXÃO SOBRE PERSPECTIVAS PARA A AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL

PARTICIPANTES DE ENCONTRO DESTACAM PROPOSTA DE SINODALIDADE NA AÇÃO PASTORAL DA IGREJA

“O COORDENADOR DE PASTORAL É UM MEDIADOR DA GRAÇA DE DEUS E PROMOVE A COOPERAÇÃO NA COMUNIDADE”, DISSE NÚNCIO APOSTÓLICO

Encontro Diocesano dos Coroinhas e Cerimoniários reúne mais de 2500 jovens e crianças

Nossa Senhora do Carmo

nomeacoes

Nomeação e provisões – 03/07/2024