Diocese de Santo André

Apocalipse: a escolha é sua!

Apocalipse, este é o título do último livro da Bíblia cuja autoria é atribuída a São João Evangelista, escrito  lá pelo ano 95 d.C. A palavra quer dizer “revelação”. É um livro escrito no gênero literário, a propósito, chamado apocalíptico.

Este livro é composto de visões e imagens cifradas, cheio de alusões e metáforas, pois se dirige às comunidades cristãs do século II, perseguidas pelo Império Romano. Nesta linguagem, compreendida pelas comunidades mas desconhecida pelo Império, a mensagem poderia atingir sua finalidade: dar coragem aos cristãos perseguidos.

Na linguagem popular apocalipse é palavra que dá medo. Para muitos lembra destruição e o fim do mundo. Porém, é um livro procurado devido a seu mistério. Todos intuem que sua mensagem é importante para a vida, embora de difícil entendimento. Por isso, cada um vai ler e, conforme puder, vai tirar as próprias conclusões. Quem tem razão? Nada melhor que examinar as informações que o próprio autor deste livro deixou, espalhadas pelo próprio livro do Apocalipse. Assim, se esclarece o sentido deste escrito favorecendo o entendimento.

Naquela situação de perseguição, as comunidades cristãs concluíram que iriam ser exterminadas, estava perto o fim dos tempos. Todas as portas estavam fechadas, os poderes do mundo estavam contra os cristãos, colocados fora da lei pelo imperador romano. A perseguição era violenta e ninguém escapava ao controle da polícia (cf. Ap 13, 16).

Assim como naquele tempo, também hoje na situação catastrófica em que estamos, muitos desanimam e se sentem perdidos. Porém, há os que embora sofrendo continuam firmes na fé e na esperança. O certo é que todos tinham necessidade de uma palavra de conforto e encorajamento.

O Apocalipse mostra que dentro do tempo da história, marcado pelas perseguições, contradições e dores, existe o tempo de Deus, a hora de Deus, o plano de Deus. O livro vai revelando que dentro dos acontecimentos da perseguição, naquela época, e das dificuldades que enfrentamos hoje, a Boa Nova da chegada de Deus que vem para libertar, está acontecendo.

As comunidades cristãs da época, como as de hoje, diante das crises, perguntavam se valia a pena continuar no caminho de Jesus, vivendo da fé. O Apocalipse enfrenta o problema revelando o outro lado dos acontecimentos, o lado escondido e misterioso da ação de Deus no mundo no meio do “pandemônio”. Ele ilumina os fatos à luz da fé e nos revela que: a) os acontecimentos não estão escapando da mão de Deus, apesar das aparências em contrário; b) O poder dos poderosos não passa de engano, eles parecem ser donos do mundo, mas sem querer e sem saber, contribuem para que os planos de Deus se realizem. Pois, Deus escreve direito por linhas tortas. O destino dos maus será a derrota total. Examinemos a história, veremos como o poder passa: “tempus endax rerum” (o tempo tudo devora).

Dentro dos próprios acontecimentos conflitivos e desesperadores tem um recado de Deus, uma boa notícia: “Deus é o Senhor da história, quem não está com Ele está contra Ele: perderá o jogo”. Os opressores, exploradores, imorais, corruptos, mentirosos, assassinos, serão derrotados e condenados, todos! (cf. Ap 21, 8). Isto é possível de perceber nos acontecimentos, somente para quem tem fé. A ressurreição de Jesus é a garantia.

Na situação que estamos vivendo é bom ler este livro, e perceber a esperança que ele nos infunde. Deus está fazendo novas todas as coisas: construindo um mundo novo, a nova Jerusalém (cidade da paz), com os escombros da Babilônia (cidade da confusão), pois só Ele pode tirar o bem do que é mal.

No fim do livro se afirma que todos devem prestar contas de suas ações. Prestar contas à sua consciência e ao próprio Deus: “Todos são julgados, cada um conforme as suas obras” (Ap 20, 12). A morte será derrotada e com ela os que promoveram a morte neste mundo (cf. Ap 20, 14). Os que promoveram a vida terão seus nomes inscritos no Livro da Vida e viverão para sempre com Deus (cf. Ap 20, 15).

A cada um cabe escolher: promover a morte ou promover a vida! O que você está escolhendo?

Compartilhe:

Homilia, Missa do Jubileu Diocesano 70 Anos da criação da Diocese de Santo André

Ginásio lotado com mais de 7 mil pessoas marca celebração dos 70 anos da Diocese de Santo André

Catedral diocesana celebra sua padroeira

Padre Toninho assume nova missão na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

Jovens Sarados comemoram 15 anos com missa presidida pelo bispo diocesano

ENCONTRO CHEGA AO FIM COM REFLEXÃO SOBRE PERSPECTIVAS PARA A AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL

PARTICIPANTES DE ENCONTRO DESTACAM PROPOSTA DE SINODALIDADE NA AÇÃO PASTORAL DA IGREJA

“O COORDENADOR DE PASTORAL É UM MEDIADOR DA GRAÇA DE DEUS E PROMOVE A COOPERAÇÃO NA COMUNIDADE”, DISSE NÚNCIO APOSTÓLICO

Encontro Diocesano dos Coroinhas e Cerimoniários reúne mais de 2500 jovens e crianças

Nossa Senhora do Carmo