Diocese de Santo André

Crise geral

Observando ao redor, constatamos mudanças e conflitos na sociedade. Acontecem coisas que questionam, abalam as pessoas. Um exemplo é o caso do assassinato de um casal com seu filho, mortos carbonizados. Este assassinato, segundo depoimentos, foi planejado e contou com apoio da filha do casal. As investigações prosseguem.

De onde vem o aumento destes casos? Dramas e tragédias sempre existiram, mas num mundo que atingiu o desenvolvimento que temos, seria para diminuir. Não vivemos em um mundo perfeito, mas no melhor que já existiu ao longo da história. No entanto, nos matamos mais, a depressão aumenta e as mortes provocadas por overdoses matam mais que acidentes de carro. Sem falar dos suicídios que aumentam e da eutanásia que está sendo legislada em alguns países.

O que se busca hoje parece não ser mais a felicidade, mas o prazer físico, a catarse emocional e a estabilidade financeira: é a ditadura da “ética do instante” onde tudo é relativo em uma sociedade “líquida”. Confundem-se os meios com o fim. Ao fazê-lo condenamos nossas vidas ao vazio. Assim, o maior problema da humanidade não é o dinheiro, mas o relacionamento entre os seres humanos.

Fala-se em uma mudança de época e seu nível mais profundo é o cultural: o individualismo reinante enfraquece os vínculos comunitários e propõe uma radical transformação do tempo e do espaço, dando papel primordial à imaginação. A ciência e a técnica, quando colocadas quase que exclusivamente a serviço do lucro, com os critérios únicos da eficácia, da rentabilidade e do lucro, criam uma nova visão da realidade na qual não existe Deus.

E aqui está a causa primordial da crise geral que atravessamos: quem exclui Deus de seu horizonte, falsifica o conceito de realidade e só pode terminar em caminhos equivocados e projetos destrutivos. Não se combate a ideia de Deus hoje, mas vive-se cada vez mais como se Ele não existisse: “Deus é possível, mas não é necessário”, se diz.

Porém, esta situação, na qual para a cultura dominante Deus está ausente, as ideologias morreram, e os valores superiores foram depreciados, nos introduz na “globalização da indiferença”(cf. EG 54).

Nossa cultura atual vê a ciência como a raiz da verdade. Mas a ciência que não tem uma palavra sobre o sentido das causas últimas, não pode substituir a religião. O ser humano se realiza pela “obediência à verdade” (1 Pd 1,22). Mas hoje se perdeu a ideia de uma verdade universal sobre o bem, cognoscível pela razão humana. Mudou também a concepção da consciência, à qual cabe decidir sobre os critérios de bem e de mal. Cada um é lei para si mesmo.

De uma forma simples e lapidar o Papa Francisco escreve: “A crise financeira que atravessamos faz-nos esquecer que, na sua origem, há uma crise antropológica profunda que consiste na negação da primazia do ser humano” (EG 55). Enfatiza ainda que “o ser humano é considerado, em si mesmo, um bem de consumo, que se pode usar e depois jogar fora”.

Ao negar Deus ou ao negar seu lugar na sociedade, se acaba por negar também a dignidade do ser humano. Então, sem Deus o homem não se explica, mas cada vez mais se complica. É a crise geral!

É preciso reagir com uma tomada de consciência que reverta este clima de perda de valores, e mais ainda de sentido, fechando as pessoas sobre si mesmas. É preciso perceber que a crise não é somente econômica, mas uma crise de humanidade, pois o sistema que rege hoje o mundo é objetivamente inumano.

Compartilhe:

Homilia, Missa do Jubileu Diocesano 70 Anos da criação da Diocese de Santo André

Ginásio lotado com mais de 7 mil pessoas marca celebração dos 70 anos da Diocese de Santo André

Catedral diocesana celebra sua padroeira

Padre Toninho assume nova missão na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

Jovens Sarados comemoram 15 anos com missa presidida pelo bispo diocesano

ENCONTRO CHEGA AO FIM COM REFLEXÃO SOBRE PERSPECTIVAS PARA A AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL

PARTICIPANTES DE ENCONTRO DESTACAM PROPOSTA DE SINODALIDADE NA AÇÃO PASTORAL DA IGREJA

“O COORDENADOR DE PASTORAL É UM MEDIADOR DA GRAÇA DE DEUS E PROMOVE A COOPERAÇÃO NA COMUNIDADE”, DISSE NÚNCIO APOSTÓLICO

Encontro Diocesano dos Coroinhas e Cerimoniários reúne mais de 2500 jovens e crianças

Nossa Senhora do Carmo