Diocese de Santo André

Ninguém tem culpa

A propósito do desastre ocorrido no litoral norte do Estado de São Paulo e deslizamentos de terra similares, aqui no Grande ABC. Uma triste e constante realidade que se repete todos os anos. Assim como uma doença, não há como curá-la se não fizer um diagnóstico. A doença tem uma causa, também esta situação tem uma causa. Culpa de quem?

Não raro se foge de responder esta pergunta. Em meio à tragédia, foi comovente ouvir a entrevista de um político que dizia: “Não é hora de procurar os culpados, mas de remediar a situação”. Fica evidente que, ao se esquivar do julgamento, se confessa a culpa.

É com este espírito de não apontar a culpa da situação que ela está sujeita a se repetir. Em nossa cultura ninguém tem culpa de nada. Em especial as autoridades, se eximem de buscar a culpa pela corrupção, incompetência e descaso com a população. E assim, as consequências desta atitude de, não assumir responsabilidades, se torna cada vez mais grave, propiciando repetição dos erros.

Desconhece-se que existe um remédio para cada culpa: reconhecê-la. Pode ser culpa de um indivíduo, de um grupo, de uma soma de fatores ou culpa coletiva, mas existe sempre culpados para cada erro. A solução começa por identificar a causa e quem o praticou.

Em primeiro lugar, onde os responsáveis não têm culpa, a situação fica sempre sem resposta. A impunidade reina e quem pode menos sofre todas as consequências. É o que acontece. Não raro se aponta como culpados desta situação desastrosa, dos deslizamento de casas e morte da população, o próprio povo que invadiu a área, ocupando-a. Não porque quer estar lá, mas porque não tem outra opção para morar.

A constituição brasileira assegura o direito à saúde, moradia, emprego etc, porém, se isto não existe, a culpa nunca está naqueles que governam, mas sempre no povo que é a vítima da consequência. O povo que paga os impostos, mas não lhes dá destinação. Se tem culpa no povo é por se deixar enganar, acreditar e agir de boa fé na hora de votar. Não é à toa que o sábio Confúcio dizia: “O homem superior atribui a culpa a si próprio; o homem comum aos outros”.

Quando ninguém tem culpa de nada a situação fica muito cômoda para alguns, e a impunidade reina em detrimento da justiça. A  imunidade e impunidade nasceram como apanágio dos que defendiam o Estado. Deviam ter assegurada sua liberdade para defende-lo. Hoje, a impunidade é sinônimo de quem usa suas prerrogativas para prejudicar o Estado e ludibriar a confiança do povo.

Alguns podem achar que a busca pelos culpados conduz à vingança. Se estivéssemos na lei da selva sim, mas na verdade conduz à justiça. Em um país onde existe um arcabouço jurídico e um sistema judicial implantado, é justamente para defender o direito de cada um, em especial dos mais fracos, que mais precisam serem tutelados pelo sistema jurídico. Para isso, existe a defensoria pública e os procuradores, justamente para fazer justiça, porém, que justiça se poderá fazer onde ninguém é culpado de nada?

Antigamente o grande culpado pelas tragédias era Deus. Por que Deus não viu isso? Hoje, porém, uma parte da população está esclarecida. Sabe que Deus não é culpado pela escolha que a humanidade faz na direção do mal. E a outra metade não acredita que Deus existe ou se ocupe da humanidade. Contudo, há uma grande parcela da população que tem religião, tem fé e lê a Bíblia. Por isso sabe que existe pecado do qual se deve arrepender depois de reconhecer a culpa.

Pecado é justamente a escolha deliberada em praticar o que vai contra a consciência, contra o bem comum, contra a lei de Deus e a justiça. É o império do egoísmo que leva a violência por um lado e a indiferença por outro lado. As duas atitudes praticadas em relação a Deus e às pessoas.

Só quem assume a culpa pelo pecado, diante de Deus, poderá ser acolhido por Ele, perdoado e curado. Assim também, somente uma sociedade onde se dá “nome aos bois”, onde aparecem os culpados, poderá se reconciliar consigo mesmo, ser corrigida e curada. E assim, passar a praticar a justiça e o direito, ambos capazes de promoverem a união e a vida plena para todos.

Compartilhe:

Ginásio lotado com mais de 7 mil pessoas marca celebração dos 70 anos da Diocese de Santo André

Catedral diocesana celebra sua padroeira

Padre Toninho assume nova missão na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

Jovens Sarados comemoram 15 anos com missa presidida pelo bispo diocesano

ENCONTRO CHEGA AO FIM COM REFLEXÃO SOBRE PERSPECTIVAS PARA A AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL

PARTICIPANTES DE ENCONTRO DESTACAM PROPOSTA DE SINODALIDADE NA AÇÃO PASTORAL DA IGREJA

“O COORDENADOR DE PASTORAL É UM MEDIADOR DA GRAÇA DE DEUS E PROMOVE A COOPERAÇÃO NA COMUNIDADE”, DISSE NÚNCIO APOSTÓLICO

Encontro Diocesano dos Coroinhas e Cerimoniários reúne mais de 2500 jovens e crianças

Nossa Senhora do Carmo

nomeacoes

Nomeação e provisões – 03/07/2024