A Missão dos Seminaristas da Diocese de Santo André em 2020 acontecerá entre os dias 25 de janeiro e 1º de fevereiro, na Região Pastoral Mauá. É um momento em que todos os diocesanos devem estar reunidos em suas paróquias e residências rezando pelas vocações de cada um dos 29 seminaristas, neste Ano Vocacional Diocesano em que se prioriza também o despertar de novos candidatos ao sacerdócio.

Tema e abertura

A edição deste ano tem como tema “Ai de mim se eu não pregar o evangelho” (1Cor 9,16). A abertura ocorrerá com a missa que será celebrada pelo bispo diocesano Dom Pedro Carlos Cipollini, no sábado (25/01), às 15h, na Comunidade Sagrado Coração de Jesus e Imaculado Coração de Maria (Rua Ricardo Bechelli, 197 – Jd. Zaíra), da Paróquia São Paulo Apóstolo. Neste dia, os candidatos ao sacerdócio também participarão de um café com análise socioeconômica e religiosa, de almoço e jantar, e do envio para as famílias, na Matriz Imaculada Conceição (Praça Mons. Alexandre V. Arminas, 01- Bairro Matriz), onde cada paróquia receberá dois a três seminaristas para a missão durante os sete dias.

Programação

No domingo (26/01), os seminaristas participarão das missas, de almoços com os padres e famílias, além de formação com a juventude nas paróquias. Na segunda (27/01), os destaques são as visitas ao Hospital Santa Casa e Casas de Repouso, bem como o Terço Luminoso com os Jovens na Praça, num momento de louvor e adoração ao Santíssimo Sacramento.
Entre terça (28/01) e quinta (30/01) ocorrerão as visitas nas casas e cafés com as famílias, num momento de evangelização e promovendo a Igreja em saída. Nestes dias também acontecem a Oração das Laudes, no início da manhã, e a Santa Missa, no período da noite.
Na sexta (31/01), as atividades previstas são visitas ao Hospital Nardini, ao Cemitério Santa Lídia, e o trabalho junto as pastorais de rua, na distribuição de marmitex aos prediletos de Deus. A Santa Missa de encerramento da Missão dos Seminaristas acontecerá no sábado (1º/02), às 10h30, na Paróquia São Vicente de Paulo (R. Vice-Presidente Francisco Silviano Alves Brandão, 88 – Parque São Vicente).

Chamado de obediência

O seminarista Douglas Colácio, que iniciará o 2º ano de Teologia, conta a experiência de ter participado de quatro missões (a primeira visitando casas região da Paróquia Cristo Rei, em Diadema; a segunda acompanhando o trabalho da Pastoral da Sobriedade, ao visitar casas de recuperação de dependentes químicos e grupos de apoio; a terceira na Catedral do Carmo, percorrendo comércios, órgão públicos, prefeitura, câmara municipal, OAB, e casas de famílias, na região central de Santo André; e a quarta missão viajando para a Bahia, onde os seminaristas permaneceram durante 20 dias, num trabalho intenso de conhecer as comunidades locais). “A missão é um despojar-se. Nos despojamos de nós mesmos para conhecer outras realidades do povo, das pessoas mais sofridas, daqueles que vivem a fé ou daqueles que necessitam encontrar-se com Cristo. A missão é um chamado de obediência. ‘Vem e segue-me’. E nós seguimos Jesus dentro de nossas limitações, nossas dificuldades”, avalia Douglas.

Estreia nas missões

Iniciando em 2020 os estudos no Seminário de Filosofia, Jefferson Almeida revela a expectativa de participar pela primeira vez das missões. Segundo ele, as atividades estão em sintonia com a formação presbiteral, sendo uma delas a dimensão pastoral e missionária. “Ser missionário é ser cristão. Todo cristão é chamado a ser missionário. O Senhor nos pediu. ‘Ide por todo mundo e pregai o Evangelho’. São Paulo também vai nos falar em sua carta ‘Ai de mim, se eu não pregar o Evangelho’. E o carisma do Bom Pastor, uma característica do padre diocesano é ir ao encontro das ovelhas, onde elas moram, visitando os ambientes, percebendo as necessidades, levando a Palavra de Deus e também escutá-las”, destaca Jefferson.

Importância para formação

Já Willian Maia, que iniciará os estudos no Seminário de Teologia, considera que a experiencia missionária é de suma importância para a formação dos seminaristas. De acordo com ele, a missão em território diocesano será uma oportunidade especial para reforçar que o seguimento a Jesus se dá na disponibilidade de ir ao encontro do outro, de doar a vida e de comunicar o amor divino. “Essa experiência está ligada a uma das dimensões que são indispensáveis para qualquer candidato ao sacerdócio, que é a dimensão pastoral missionária. A Igreja ensina que a vocação sacerdotal não pode existir sem o caráter missionário. Pois a missão, o caráter de ir ao encontro e doar-se está na essência do próprio Jesus Cristo, a quem nós seminaristas queremos servir, queremos nos configurar. A vocação de todo seminarista consiste em ser sinal de Deus, que vem ao nosso encontro e nos chama ao seu projeto de amor”, sintetiza William.