Diocese de Santo André

São João XXIII e o Concílio Ecumênico Vaticano II

No dia 11 de outubro comemoramos os 60 anos da data memorável, quando o papa João XXIII deu abertura solenemente ao Concílio Ecumênico Vaticano II, em meio à grande alegria, movimentação e curiosidade de todos diante de um importante evento da
História da Igreja. No discurso de abertura, João XXIII deixa bem claro qual será o objetivo do concílio: “retomar a doutrina da Igreja, recebida de Cristo, e expô-la numa linguagem nova, mais inteligível aos homens de hoje, mais de acordo com as exigências atuais. Dar roupagem nova a uma doutrina antiga. Ir ao encontro do homem atual”. Percebe-se que o objetivo central do concílio será pastoral e de fato irá causar uma “revolução” na vida da Igreja.
João XXIII foi eleito Papa em 1958, sendo considerado inicialmente um papa de transição, mas que ao convocar o concílio gerou essa renovação na Igreja em sua relação com o mundo moderno. Devido à sua bondade, simpatia, sorriso e simplicidade, João
XXIII era aclamado mundialmente como o “Papa bom”. Mesmo assim, alguns grupos acusavam-no de se radical esquerdista e herege modernista por ter convocado o Concílio e promovido a liberdade religiosa e o ecumenismo.
Um dos discursos mais célebres do Papa João XXIII é o chamado “Discurso da Lua”. Na noite de 11 de outubro de 1962, na abertura do Concílio, a Praça de São Pedro estava lotada de fiéis que, ainda que não compreendessem a fundo as mudanças teológicas e pastorais do acontecimento, percebiam a sua força histórica, sua importância e as dificuldades que surgiriam. João XXIII saiu para ver os fiéis e dirigiu-lhes palavras simples e amáveis: “Poderíamos dizer que até a Lua se antecipou esta noite… Observem-na, lá no alto, está a olhar para este espetáculo […]. A minha pessoa nada vale: é um irmão que fala para vocês, um irmão que virou pai por vontade de Nosso Senhor. Vamos continuar a querer bem um ao outro […]. Voltando para casa, encontrarão
as crianças. Deem a elas um carinho e digam: ‘Este é o carinho do Papa’. Talvez as encontreis com alguma lágrima por enxugar. Tende uma palavra de consolo para aqueles que sofrem. Saibam os aflitos que o Papa está com os seus filhos, sobretudo nas horas de tristeza e de amargura. E depois todos juntos vamos amar-nos uns aos outros, […] sempre cheio de confiança em Cristo
que nos ajuda e nos escuta”.
João XXIII faleceu de câncer no estômago, após longa luta contra tal enfermidade, em 1963, não chegando por isso a encerrar o Concílio Vaticano II. Na sua beatificação, João Paulo II afirmou: “do Papa João permanece na memória de todos a imagem de
um rosto sorridente e de dois braços abertos num abraço ao mundo inteiro”.
Foi canonizado em 2014 pelo Papa Francisco e a sua festa litúrgica é celebrada no dia 11 de outubro, para lembrar a abertura do Concílio. Que São João XXIII nos ajude a conhecer e saborear os frutos deste evento tão bonito acontecido no seio da Igreja há 60 anos, ajudando-nos a ser a tão sonhada Igreja acolhedora e em saída que o papa Francisco nos propõe.

Pe. Everton Gonçalves Costa
(Vigário Episcopal para a Pastoral – Paróquia Sagrada Família / Região SBC Anchieta)

Compartilhe:

Ginásio lotado com mais de 7 mil pessoas marca celebração dos 70 anos da Diocese de Santo André

Catedral diocesana celebra sua padroeira

Padre Toninho assume nova missão na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

Jovens Sarados comemoram 15 anos com missa presidida pelo bispo diocesano

ENCONTRO CHEGA AO FIM COM REFLEXÃO SOBRE PERSPECTIVAS PARA A AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL

PARTICIPANTES DE ENCONTRO DESTACAM PROPOSTA DE SINODALIDADE NA AÇÃO PASTORAL DA IGREJA

“O COORDENADOR DE PASTORAL É UM MEDIADOR DA GRAÇA DE DEUS E PROMOVE A COOPERAÇÃO NA COMUNIDADE”, DISSE NÚNCIO APOSTÓLICO

Encontro Diocesano dos Coroinhas e Cerimoniários reúne mais de 2500 jovens e crianças

Nossa Senhora do Carmo

nomeacoes

Nomeação e provisões – 03/07/2024