Diocese de Santo André

Em entrevista, representante da Cáritas fala sobre o impacto das chuvas em comunidades dos estados da Bahia e Minas Gerais

O portal da Conferência conversou nesta segunda-feira, 10 de janeiro, com a representante da Cáritas Brasileira, Valquíria Lima, sobre a situação das pessoas atingidas pelas fortes chuvas nos estados da Bahia e Minas Gerais.
Valquíria integrou a delegação que realizou visitas presenciais nas comunidades afetadas com o objetivo de “ouvir o que elas têm a dizer sobre o que vêm atravessando neste momento e, a partir daí, somar forças para salvar vidas, atender as necessidades imediatas e oferecer acolhimento e proteção”.
A delegação é composta por representantes da CNBB, Cáritas Brasileira, Cáritas Suíça, União Europeia e Unicef Brasil e se soma à Ação SOS Bahia e Minas Gerais, que visa arrecadar fundos para ajudar as mais de 640 mil pessoas afetadas pelas enchentes ocorridas no sudoeste, sul, extremo-sul da Bahia e norte de Minas Gerais.
Segundo Valquíria a missão foi muito importante porque a comitiva pôde perceber o quanto a Igreja tem atuado nessa dimensão e no atendimento às famílias necessitadas. “A Igreja chegou onde nem o poder público chegou e isso foi extremamente importante”, disse.
Nos primeiros momentos da tragédia, Valquíria relatou que as igrejas foram as primeiras a abrir suas portas para acolher as famílias e possibilitaram que muitas ações de solidariedade acontecessem. “Isso abriu portas para que as pessoas se mobilizassem para doar comida, roupa e acolhessem àqueles que perderam completamente tudo e precisam reconstruir suas vidas”.
A representante da Cáritas disse, ainda, que muitas dessas pessoas se encontram abrigadas nas paróquias, em escolas e espaços públicos por perderem completamente suas casas. “Elas dependem muito que os poderes públicos possam se integrar e para que as ações e programas possam contribuir na reconstrução de suas vidas”, disse.
Nessa missão, Valquíria também salientou que foi de extrema importância conversar com o poder público local, com os prefeitos dos municípios, com o governador, senadores, e perceber onde o poder público está atuando. “Isso é muito importante para que as nossas ações enquanto Igreja e campanhas de atendimentos a essas famílias possam vir a somar forças, não sobrepor ações. Nós não queremos em nenhum momento substituir a ação do estado”, falou.

 

“Percebemos relatos de famílias surtadas e realmente traumatizadas e abaladas com a situação. Foram muitos relatos de dor, de perda, de medo e essas famílias precisam de um acolhimento necessário. Elas dependem que as políticas públicas hajam de forma eficiente, e o nosso papel é acompanhar a aplicação e a ação do poder público”, enfatizou Valquíria.

 

Na ocasião, Valquíria falou sobre a Campanha #SOS Bahia e Minas Gerais. “Pedimos que as famílias continuem contribuindo para que a gente possa pensar no pós enchente. As águas abaixaram, quem teve como voltar para as suas casas está voltando e muitas ainda precisam reconstruir seus lares do zero. E é nesse momento que a gente vai atuar e vai ajudar”, salientou.

 

“Precisamos atuar para que nas condições dos abrigos que muitos se encontram, eles possam ter dignamente o mínimo necessário para a reorganização da sua vida. O poder público precisa atuar efetivamente nessa situação. Os mais pobres são os que mais tem sido atingidos”.

 

Ainda, segundo Valquíria, a missão pôde colocar todos em contato direto com a realidade e com o que a Igreja está fazendo e tem tido a oportunidade de fazer. “A sintonia também nos colocou em contato em como o poder público está agindo e aquilo que ele precisa fazer. Por isso que pedimos que qualquer contribuição na Campanha é válida nesse momento”, disse.

 

Solidariedade
Também o bispo da diocese de Bom Jesus da Lapa, no oeste da Bahia, e presidente do regional Nordeste 3 da CNBB, dom João Santos Cardoso, falou em entrevista à Rádio Vaticano – Vatican News, nesta segunda-feira, sobre a grande solidariedade suscitada pela tragédia das enchentes que atingiram o sudoeste, sul e extremo sul da Bahia.

 

“Quando acontece uma catástrofe natural dessa, quem ajuda é a própria população, muitas pessoas arriscam a própria vida para salvar aqueles que se encontram em situação de perigo”, disse o bispo.

 

Dom João Cardoso cita como exemplo o município de Dário Meira, no centro-sul da Bahia, um dos mais atingidos no Estado, cuja cidade ficou 90% debaixo d’água. Apesar da proporção da catástrofe, ele destacou que não houve vítimas fatais, justamente porque a solidariedade em socorro às pessoas em dificuldade não permitiu uma tragédia maior ainda.

 

#SOS Bahia e Minas Gerais
A Campanha #SOS Bahia e Minas Gerais: Solidariedade Que Transborda é realizada desde o dia 11 de dezembro de 2021 pela Cáritas Brasileira e pela CNBB. Os recursos arrecadados serão destinados ao apoio às pessoas afetadas pelas fortes chuvas na Bahia e em Minas Gerais.

 

Saiba como participar em:

Arquivos #SOS Bahia e Minas Gerais – CNBB

 

Fonte: CNBB
Foto: Assessoria de Comunicação da Cáritas Brasileira

Compartilhe:

Ginásio lotado com mais de 7 mil pessoas marca celebração dos 70 anos da Diocese de Santo André

Catedral diocesana celebra sua padroeira

Padre Toninho assume nova missão na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

Jovens Sarados comemoram 15 anos com missa presidida pelo bispo diocesano

ENCONTRO CHEGA AO FIM COM REFLEXÃO SOBRE PERSPECTIVAS PARA A AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL

PARTICIPANTES DE ENCONTRO DESTACAM PROPOSTA DE SINODALIDADE NA AÇÃO PASTORAL DA IGREJA

“O COORDENADOR DE PASTORAL É UM MEDIADOR DA GRAÇA DE DEUS E PROMOVE A COOPERAÇÃO NA COMUNIDADE”, DISSE NÚNCIO APOSTÓLICO

Encontro Diocesano dos Coroinhas e Cerimoniários reúne mais de 2500 jovens e crianças

Nossa Senhora do Carmo

nomeacoes

Nomeação e provisões – 03/07/2024