Diocese de Santo André

Amor de Mãe

Neste mês de maio, no qual celebra-se o “dia das mães”, falemos da maternidade.

Não raro somos informados de fatos dolorosos envolvendo mães e seus bebês abandonados. Estes fatos dramáticos questionam a maternidade na sociedade atual. Às vezes, parece que já não se dá a existência, como quem gera ou produz uma vida dando-lhe à luz para que se desenvolva, mas como quem consome.

Se vida gerada, às vezes “narcisisticamente”, é objeto de consumo, pode-se dispor dela a seu bem prazer. Todos estes questionamentos veem envoltos em angústia, porque dizem respeito ao santuário da vida representado, sobretudo, pela da mãe.

Nas correntes feministas mais radicais, o termo maternidade é ocultado e, frequentemente, proscrito. Em nome da ideologia de gênero, as pessoas de sexo feminino seriam intercambiáveis com as pessoas de sexo masculino. E a maternidade, seria um fardo de que as mulheres precisariam liberar-se para assumirem seu lugar na sociedade produtiva.

Por outro lado, vemos surgir um “novo feminismo” que, ao contrário do feminismo radical, redescobre a especificidade feminina e nela reconhece a dimensão materna que lhe é essencial. Este novo feminismo redescobre que a ação da mãe, se é benéfica para o marido e para os filhos, é igualmente benéfica para a sociedade.

A maternidade é inegavelmente uma das maiores glórias da mulher. É também uma das experiências mais profundas de amor humano, embora não se possa reduzir a mulher a seu papel de mãe, assim como não se reduz o homem a seu papel de pai.

Os Evangelhos apresentam a figura de Maria, mãe de Jesus, como ponto alto da colaboração da mulher com Deus no seu plano salvífico. Maria de Nazaré aceitou ser mãe do Filho de Deus.

O papa João Paulo I, em 1978, provocou admiração em um pronunciamento dominical na oração do meio-dia. Ele afirmou: “Deus nos ama sem medida. Sabemos que Ele sempre nos olha, nos guarda, mesmo quando é noite. É pai, mais ainda: é mãe. Não quer nos fazer mal, mas apenas o bem”.

O amor de mãe está no âmago do ensinamento evangélico, resumido no mandamento do amor. Amor que é ágape, como nos recorda o papa emérito Bento XVI em sua encíclica (Deus Caritas est). Este amor se manifesta na entrega incondicional da mãe a seu filho. Por compreenderem melhor esta dimensão do amor que inclui o sacrificar-se pelo ser amado, as mulheres seguiram Jesus até o Calvário, permanecendo aos pés da cruz.

No entanto, quero homenagear a maioria das mães que se doam todos os dias sem serem notícia. Quantos sacrifícios fazem sem que até mesmos seus filhos fiquem sabendo! Apesar de fatos chocantes acontecerem envolvendo a figura materna, a figura da mãe permanece única, emblemática: símbolo maior de um amor sublime e gratuito. Que estes fatos não desanimem as mães, mas que sirvam para mostrar como é importante seu papel na geração e proteção de uma vida que apenas desabrocha.

Em homenagem a todas as mães que estes versos de Coelho Neto, nos ajude a perceber a beleza e grandeza da maternidade: “Ser mãe é andar chorando num sorriso, ser mãe é ter um mundo e não ter nada, ser mãe é padecer num paraíso”.

* Dom Pedro Carlos Cipollini, Bispo de Santo André

Compartilhe:

Homilia, Missa do Jubileu Diocesano 70 Anos da criação da Diocese de Santo André

Ginásio lotado com mais de 7 mil pessoas marca celebração dos 70 anos da Diocese de Santo André

Catedral diocesana celebra sua padroeira

Padre Toninho assume nova missão na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

Jovens Sarados comemoram 15 anos com missa presidida pelo bispo diocesano

ENCONTRO CHEGA AO FIM COM REFLEXÃO SOBRE PERSPECTIVAS PARA A AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL

PARTICIPANTES DE ENCONTRO DESTACAM PROPOSTA DE SINODALIDADE NA AÇÃO PASTORAL DA IGREJA

“O COORDENADOR DE PASTORAL É UM MEDIADOR DA GRAÇA DE DEUS E PROMOVE A COOPERAÇÃO NA COMUNIDADE”, DISSE NÚNCIO APOSTÓLICO

Encontro Diocesano dos Coroinhas e Cerimoniários reúne mais de 2500 jovens e crianças

Nossa Senhora do Carmo