Diocese de Santo André

Ano Novo de Esperança

Estamos mergulhados em uma crise que nos preocupa. Pode ficar pior se perdermos a esperança. Ela é o único bem comum a todos os homens, até os que já nada possuem a podem possuir ainda.

Estamos iniciando um novo ano e é preciso renovar nossa esperança. Sem dúvida existe um pessimismo generalizado e muitos adotam o ditado: “deseje o melhor, mas se prepare para o pior”. No entanto, são os otimistas, os que tem esperança, que fazem avançar a história. Onde os pessimistas veem dificuldades, os esperançosos, vem oportunidades. Tanto a esperança como o otimismo brotam da fé em Deus e no ser humano.

A esperança não decepciona diz a Sagrada Escritura (Rm 5,5), ela é fonte de bom humor e valorização da vida. Esta força interior propulsora se fundamenta para o cristão na mensagem de Jesus, o Filho de Deus que celebramos no Natal, nascendo em Belém. Ele nos garante que a última palavra é da vida e não da morte.

Por detrás da crise que nos atinge e que é uma crise política, econômica e social, está outra mais profunda, provocada pela falta de esperança. Isto reflete-se na incapacidade de lidar com situações nas quais a vida está fragilizada. Sem esperança o que acaba dando segurança é o dinheiro. A ganância e a corrupção demonstram uma falta de esperança total. A avareza é consequência do desespero.

O avanço formidável da tecnologia, da medicina e outras áreas do saber não se fez acompanhar do avanço da valorização da vida. Colocam-se assim graves questionamentos éticos à sociedade. Precisamos de esperança para que a Terra seja mais habitável. Ela nos ajuda a reconhecer as contradições da vida e a superar a tentação de priorizar o egoísmo, o qual valoriza mais o ter que o ser.

As bem-aventuranças ensinadas por Jesus são um caminho para viver a esperança e o bom humor em meio às contradições e dramas da vida. Foi isto que viveu intensamente o Cardeal Paulo Evaristo Arns que há pouco nos deixou. Com seu lema de vida: “de esperança em esperança”, soube como ninguém infundir esperança nas pessoas que o rodeavam. Ele compreendeu o que escreveu o grande pensador inglês G. K. Chesterton: “Somente quando de tudo desesperamos é que a esperança começa a ser verdadeira força”.

A esperança do cristão, não brota da alienação, mas da fé na ressurreição de Jesus Cristo, a qual constitui-se em espírito de insurreição diante daqueles que fazem aliança com a morte. A esperança é a ultima que morre, diz o ditado, e é verdade porque ela somente morrerá, quando as promessas de Deus forem cumpridas.

Aos leigos cristãos católicos que lerem estas linhas, gostaria de recordar o que ensinou o Concílio Vaticano II sobre a esperança: “Os leigos mostrar-se-ão filhos da promessa se, firmes na fé e na esperança aproveitarem bem o tempo presente e, com paciência, esperarem a glória futura (cf. Rm 8,25). Mas não devem esconder esta esperança no seu íntimo, antes, pela contínua conversão e pela luta ‘contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra os espíritos do mal’ (Ef 6,12), manifestem-na também nas estruturas da vida secular” (LG 35).

Feliz Ano Novo a todos com muita esperança!

Escrito por Dom Pedro Carlos Cipollini

Compartilhe:

Ginásio lotado com mais de 7 mil pessoas marca celebração dos 70 anos da Diocese de Santo André

Catedral diocesana celebra sua padroeira

Padre Toninho assume nova missão na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

Jovens Sarados comemoram 15 anos com missa presidida pelo bispo diocesano

ENCONTRO CHEGA AO FIM COM REFLEXÃO SOBRE PERSPECTIVAS PARA A AÇÃO EVANGELIZADORA DA IGREJA NO BRASIL

PARTICIPANTES DE ENCONTRO DESTACAM PROPOSTA DE SINODALIDADE NA AÇÃO PASTORAL DA IGREJA

“O COORDENADOR DE PASTORAL É UM MEDIADOR DA GRAÇA DE DEUS E PROMOVE A COOPERAÇÃO NA COMUNIDADE”, DISSE NÚNCIO APOSTÓLICO

Encontro Diocesano dos Coroinhas e Cerimoniários reúne mais de 2500 jovens e crianças

Nossa Senhora do Carmo

nomeacoes

Nomeação e provisões – 03/07/2024